[wc_row] [wc_column size = "três quartos" posição = "primeiro"]

Estratégia nacional para a biodiversidade 

 (Fonte: www.minambiente.it)

No panorama europeu, a Itália é caracterizada por um dos mais significativos patrimônios de espécies, tanto pelo número total quanto pelo alto índice de endemismo. A história geológica, biogeográfica e de uso do solo, bem como a posição central na Bacia do Mediterrâneo (um dos 33 hotspots de biodiversidade em todo o mundo) têm determinado as condições para o desenvolvimento da atual riqueza em biodiversidade.

Em comparação com o número total de espécies presentes na Europa, na Itália existem mais de 30% das espécies animais e quase 50% das espécies vegetais, todas em uma área de cerca de 1/30 da do continente.

Em detalhes:
A fauna é estimada em mais de 58.000 espécies, das quais cerca de 55.000 de Invertebrados (95%), 1812 de Protozoários (3%) e 1265 de Vertebrados (2%), com uma incidência global de espécies endêmicas igual a cerca de 30% .
A flora é composta por mais de 6.700 espécies de plantas vasculares (15% das quais são endêmicas), 851 de musgos e 279 de hepáticas. Quanto aos cogumelos, são conhecidas cerca de 20.000 espécies de Macromycetes e Myxomycetes (fungos visíveis a olho nu).

Para garantir uma integração real entre os objetivos de desenvolvimento do país e a proteção do seu inestimável patrimônio da biodiversidade, o Ministério do Meio Ambiente elaborou a Estratégia Nacional para a Biodiversidade, aprovada em outubro de 2010 pela Conferência Permanente para as Relações entre os Estados. , as Regiões e as Províncias Autônomas.

 

[título do acordeão = ”Saiba mais“]
[título do item acordeão = "O desafio de 2011-2020 para a biodiversidade"]

Durante o ano de 2010, declarado pela Assembleia Geral das Nações Unidas “Ano Internacional da Biodiversidade”, foi lançada a nível internacional e europeu a revisão das ferramentas que permitirão travar a perda de biodiversidade e dos serviços ecossistémicos que dela derivam ao longo da década 2011-2020, por sua vez declarado pela Assembleia Geral das Nações Unidas "Década das Nações Unidas para a Biodiversidade".

Durante o ano de 2010, declarado pela Assembleia Geral das Nações Unidas “Ano Internacional da Biodiversidade”, foi lançada a nível internacional e europeu a revisão das ferramentas que permitirão travar a perda de biodiversidade e de serviços ecossistémicos dela derivados ao longo da década 2011-2020.

Em outubro de 2010, a 10ª Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica (COPXNUMX da CDB) foi realizada em Nagoya, Japão, durante a qual um Protocolo sobre Acesso a Recursos Genéticos e Compartilhamento Justo e Equitativo foi adotado. dos benefícios decorrentes de seu uso (Protocolo ABS), e foi revisado em Plano Estratégico para o período 2011-2020 com uma nova visão para a biodiversidade da CDB, a ser alcançada até 2050, e uma nova missão para 2020, com 5 objetivos estratégicos e 20 objetivos operacionais.

Neste contexto internacional, a Itália dotou-se de um instrumento de fundamental importância para garantir uma real integração entre os objetivos de desenvolvimento do país e a proteção de seu inestimável patrimônio de biodiversidade, o Estratégia Nacional para a Biodiversidade aprovada, na sequência de uma fecunda consulta entre o Ministério do Ambiente e das Regiões e das Províncias Autónomas de Trento e Bolzano, com o acordo expresso pela Conferência Permanente para as Relações entre o Estado, as Regiões e as Províncias Autónomas no período de 7 Outubro de 2010.
[/ item de acordeão]
[título do item acordeão = "O novo Plano Estratégico da CDB"]

 La Visão para a Biodiversidade do novo Plano Estratégico da CDB prevê que “Por um mundo que vive em harmonia com a natureza onde, até 2050, a biodiversidade será avaliada, preservada, restaurada e utilizada com sabedoria, mantendo os serviços ecossistêmicos, sustentando um planeta saudável e proporcionando todos os benefícios essenciais”.

La missão do Plano Estratégico é iniciar ações urgentes e efetivas para conter a perda de Biodiversidade a fim de garantir, até 2020, que os ecossistemas sejam resilientes e continuem a fornecer serviços essenciais de forma a garantir a variedade de vida no planeta e contribuir para a bem-estar humano e erradicação da pobreza. Para que isso aconteça é necessário reduzir as pressões sobre a Biodiversidade, restaurar os serviços ecossistêmicos, utilizar os recursos biológicos de forma sustentável e garantir que os benefícios decorrentes do uso dos recursos genéticos sejam compartilhados de forma justa e equitativa, disponibilizar recursos financeiros adequados, implementar políticas adequadas e para basear a tomada de decisões em bases científicas sólidas e no princípio da precaução.

Texto oficial do Plano Estratégico - Decisão X / 2 

 [/ item de acordeão]

[título do item acordeão = "Estratégia Nacional para a Biodiversidade"]

A Estratégia Nacional para a Biodiversidade nasceu graças a um percurso de participação e partilha entre os diversos atores institucionais, sociais e econômicos envolvidos, que por meio de oficinas territoriais específicas culminou no Conferência Nacional para a Biodiversidade (Roma, 20-22 de maio de 2010).

A Estratégia é uma ferramenta para integrar a conservação e o uso sustentável dos recursos naturais nas políticas setoriais nacionais para esse fim e foi adotada de acordo com a Conferência Estado-Regiões em 7 de outubro de 2010.

La Estrutura da estratégia é articulado em torno de três temas principais:

  • Biodiversidade e serviços ecossistêmicos
  • Biodiversidade e mudanças climáticas
  • Biodiversidade e políticas econômicas

Cujos respectivos 3 objetivos estratégicos são alcançados com o contributo decorrente das várias políticas setoriais identificadas em 15 áreas de trabalho.

Governança da Estratégia Nacional para a Biodiversidade
A implementação da Estratégia Nacional para a Biodiversidade requer uma abordagem multidisciplinar e forte partilha e colaboração entre os decisores políticos e as administrações centrais e regionais, com o apoio do mundo académico e científico, recolhendo as solicitações dos stakeholders.

Por este motivo, a Conferência Estado-Regiões foi identificada como a sede da tomada de decisão política sobre a Estratégia e órgãos especiais da governo (Decreto Ministerial de 6 de junho de 2011 (JO 143 de 22/6/2011)).

Il Comitê Conjunto para a Biodiversidade, em apoio às atividades da própria Conferência, é composta por representantes das administrações centrais e das Regiões e Províncias Autônomas.

A Comissão Mista é apoiada nos aspectos técnico-científicos pelaObservatório Nacional da BiodiversidadeÉ integrado por representantes de instituições, órgãos de pesquisa, áreas protegidas de importância nacional e regional e sociedades científicas.

O estabelecimento de um Mesa de Consulta, composta por representantes das principais associações das categorias económica e produtiva e de associações ambientais, garante o envolvimento total e constante das partes interessadas na implementação e revisão da Estratégia.

Principais atividades dos Órgãos de governo

Monitoramento da Biodiversidade e avaliação da implementação da Estratégia
A Estratégia Nacional para a Biodiversidade prevê a preparação, a cada dois anos, de um relatório sobre a implementação e eficácia da própria Estratégia. Para este fim, um conjunto preliminar de indicadores (pdf, 739 KB), que consiste em 10 indicadores de status que visam representar e avaliar o estado da biodiversidade na Itália e 30 indicadores de avaliação destinados a avaliar a eficácia das ações realizadas pelo sistema de país para alcançar os objetivos da Estratégia.

Il primeiro relatório (pdf, 1.470 MB), relativa ao biénio 2011-2012, foi apresentada em abril de 2013.

Últimas atualizações
Il Julho 10 2014 a Conferência Estado-Regiões aprovou os primeiros documentos produzidos pelo Joint Committee for Biodiversity. A Conferência expressou acordo (pdf, 86 KB) sobre “O relatório sobre a implementação da Estratégia Nacional de Biodiversidade (período 2011-2012)” e acordo (pdf, 97 KB) sobre "Diretrizes para a recuperação, resgate, custódia e gestão de tartarugas marinhas"; compreensão (pdf, 233 KB) sobre "primeiras indicações programáticas até 2015".

[/ item de acordeão]

[título do item acordeão = "Documentos e anexos"]

Texto da Estratégia Nacional de Biodiversidade (pdf, 2.132 MB) 

Decreto que cria o Comitê Conjunto para a Biodiversidade, o Observatório Nacional da Biodiversidade e a Mesa de Consulta (pdf, 113 KB) 

Portal Naturaitalia e Rede Nacional da Biodiversidade 

Documentos

Estrutura da Estratégia

[/ item de acordeão]

[Accordion-item title = "Meta 6: gerenciar a crise global de biodiversidade"]

 

[/ item de acordeão]
[/acordeão]

Atos relacionados

[/ wc_column] [wc_column size = "um quarto" posição = "último"]

Acesse as diversas páginas da área

[nome do widget = "WP_Nav_Menu_Widget" atributos = "title = & nav_menu = 795 ″

[/ wc_column] [/ wc_row]

Estratégia nacional para a biodiversidade

© Helios Study Center

Parques e reservas da Sicília

Compartilhe compartilhe
Partilhe

Comentários Facebook

Compartilhe este post

Deixe um comentário

Partilhe