Gallo Italico (Aloglota Falada): Aidone
Street View (se houver)
O Street View está disponível apenas com o Google Maps.
descrição

Gallo Italico (Aloglota Falada): Aidone

Bens incluídos no Registro do Patrimônio Imaterial da Sicília (REIS)Nicósia-SanfratelloOs galo-itálico da Sicília (ou galo-itálico da Sicília) são uma ilha linguística aloglota da Sicília central e oriental composta de dialetos em que predominam características, especialmente fonéticas, típicas do norte da Itália, ou seja, pertencentes aos discursos do grupo linguístico Gallo-itálico, no qual há um substrato galo-céltico e um superstrato germânico, difundido em grande parte do norte da Itália e historicamente pertencente à macrorregião ao sul dos Alpes que os romanos chamavam de Gália Cisalpina.

A formação dessas ilhas linguísticas aloglotas na Sicília remonta ao período normando, no qual o Altavilla favoreceu um processo de Latinização Sicília, incentivando uma política de imigração de populações da França (normandos, provençais e bretões) e do norte da Itália (principalmente piemonteses e ligurianos) com a concessão de terras e privilégios.

A fala desses colonos do norte da Itália persistiu por muito tempo na Sicília, ainda que as ilhas lingüísticas criadas tenham começado a ser erodidas pelo impacto, primeiro, com os dialetos sicilianos, e em tempos mais recentes, com o da televisão e da escolaridade obrigatória, apontando para o perigo concreto do desaparecimento deste antigo e precioso testemunho histórico e glotológico siciliano.

Os lugares incluídos no REIS - “Registro do Patrimônio Imaterial da Sicília” - Livro de Expressões - Discurso Alloglotta Gallo Italico - estabelecido pela Região da Sicília são os seguintes:

Nicósia, Sperlinga, Piazza Armerina e Aidone na província de Enna; San Fratello e Novara di Sicilia na província de Messina.

Outros lugares, embora não incluídos no REIS, estão interessados ​​na difusão da língua galo-italiana entre estes, para permanecer na província de Messina:

  • Fondachelli Fantina
  • Francavilla da Sicília
  • Vitória no Domingo Santo
  • Roccella Valdemone
  • San Piero Patti
  • Acquedolci

---------------- 

Fichas técnicas elaboradas por: Região da Sicília - Departamento do patrimônio cultural e identidade siciliana - CRicd: Centro regional de inventário, catalogação e documentação e cinemateca regional da Sicília

Folha de dados técnicos n. 14 (Aidone)
Não. Prog.
14
Bem
Gallo Italico (fala aloglota)
Livro
REI - Livro de Expressões
Data de aprovação
25-01-2006
Categoria
Prática expressiva
província
Enna
recurso
Aidone (em daletto Aidungh ou Dadungh)
Comune
Aidone
Denominação local
Vernáculo de Aidoniano
Notícias cronológicas
O vernáculo de Aidone, junto com o dialeto de Piazza Armerina, Nicosia, Sperlinga e San Fratello, é denominado por especialistas do setor lingüístico galo-itálico.
Este dialeto foi mantido por muito tempo na Sicília e se distinguiu do siciliano por suas características fonéticas, morfológicas e lexicais. No entanto, essas características começaram a ser corroídas pelo impacto com os dialetos sicilianos.
Os primeiros vestígios da fundação de Aidone pelos lombardos são encontrados no História da Sicília 1558 por Tommaso Fazello de 1574.
O historiador, em sua escrita, hipotetizou que a cidade foi fundada pelos normandos durante a conquista da Sicília, no final do século XI. A origem do dialeto remonta a este episódio. 
Recorrência
-
Data
 
oportunidade
 
Função
-
atores
 
participantes
 
descrição
O estudioso Giovanni Tropea escreve que, em Aidone, o dialeto galo-itálico, já no final do século XIX, era usado apenas em contextos domésticos ou rurais, ou pelas classes mais baixas e atrasadas da população. Na cidade havia uma aversão marcante ao dialeto galo-itálico. Em particular, o uso do vernáculo foi oposto em crianças, por um preconceito social específico. A posição isolada da cidade, bem como a proximidade com a Piazza Armerina, têm favorecido, no entanto, a preservação do dialeto que cada vez mais se aproxima do dialeto siciliano pela necessidade de comunicação.
A presença de um bilinguismo da comunidade Aidona se espalhou, que usa dois dialetos indiscriminadamente: o dialeto galo-itálico (o falado ele saiu) e o dialeto que poderia ser definido como dialeto galo-italiano sicilianizado (o dialeto falado ađ ccussì) Este último dialeto (que é uma mistura de palavras, termos e sons das línguas sicilianas dos países vizinhos e também da língua nacional, adaptado ao sistema fonológico de sua própria língua galo-italiana) foi se formando ao longo dos séculos, desde que se percebeu que o o uso do puro galo-itálico constituía um obstáculo à compreensão oral, especialmente quando se estava em diálogo com estrangeiros, inclusive de outras comunidades sicilianas.
Um testemunho escrito do vernáculo são os versos de poetas Aidoneses do início do século XX, incluindo Antonino Ranfaldi, cuja composição segue:
 
Sunett 'ca cuva
A ddinga ch-agn 'giurn' us 'â v'rsùra
Nan eja com-a cudda c'tatìna:
Tu l-àj-a p'rdunè sabe esta manhã
O mirt 'to s' ncula cu russura.
Nan é, como na Toscana, grande s'gnura
Idda n-testa s 'ntruscia a mant'lina.
Nan vò ntras'r, não, dâ to purtina,
O scianch 'a l-om' vo r'stè â v'rsura.
P 'fèr'la rr'vè za está ausente
Rann à stait 'u b'sogn' ch-à s'ntùit ':
O to n'mich ', sa parra' gghj 'longe!
Fasgiss'n 'ddasagn' e fav 'cùit',
E nan unsciass'n '... cada! ... Ngià s'ddìa!
Tutt 's' n-àn 'anè a zappè nt' l-ùit '.
Ancura av 'a entendida, 
Race d 'scecch' vigghj '?!
Annèv'n! P 'vui nan é você Cuns'gghj'

Nan n 'fè nf'l'nì, 
Fasgìn 'stu faùr',
Ele avançou 'cà v-avìa v' fè cû scur '.
L-àva, nsumma a f'nì?
D 'frà v' prii, fasgì'n 'sta car'tà:
Eu gint 'von' agnungh 'a l'bartà.
 
Soneto caudado
A linguagem que uso todos os dias no campo
não é como aquela cidade:
você deve perdoá-la se esta manhã
ao seu mérito se aproxima com blush.
Ela não é, como a Toscana, uma grande senhora,
ela envolve a capa na cabeça.
não quer entrar, não, pela sua porta 
ao lado do homem, ele quer ficar no campo. 
Para fazê-la vir aqui,
grande era a necessidade que sentia:
ao seu inimigo, se ele fala, ele se joga sobre ele!
Eles também fizeram lasanha e feijão cozido
e não incharam ... nossas cabeças! Já irrita!
todos eles têm que ir cavar o jardim.
 
Você ainda tem que entender,
tipo de bundas velhas ?!
Vá embora! o conselho não é para você
Não nos deixe com raiva,
faça-nos este favor,
antes de escurecer.
Resumindo, você tem que terminar!
Como irmão, faça-nos caridade:
cada pessoa quer liberdade.
 
Bibliografia
Mazzola, Joachim. 1913.  História da Aidone. Catania: Ed.Niccolò Giannotta.
 
Falzello, Thomas. 1574. História da Sicília 1558, na tradução de Remigio Fiorentino. Veneza.
 
Milli, Gaetano. 2004. Poemas e provérbios na língua galo-italiana de Aidone com noções breves e parciais de gramática e notas explicativas. Barrafranca: Editora Bonfirraro.
 
Rocella, Remiglio. 1970. Vocabulário da língua falada na Piazza Armerina. Bolonha: Editora Forni.
 
Toso, Fiorenzo. 2008 Minorias linguísticas na Itália. Bolonha: o moinho.
 
Found, Salvatore, 1989. Projeto Galloitalici, ensaios e materiaisDepartamento de Ciências Linguísticas Filológicas Literárias Medievais e Modernas da Universidade de Catania
 
Encontrei, Salvatore. 2002. Sicily. Turim: UTET.
 
TROPEIA, John. 1966. Efeitos da simbiose linguística nos dialetos galo-italianos de Aidone, Nicosia e Novara di Sicilia, Torino: Editora Rattero.
Sitography
Filmografia
 
Discografia
 
Note
Antonino Ranfaldi, nascido em Aidone em 1868 e falecido na Piazza Armerina em 1945, era médico, homem de letras e autor de poemas e textos teatrais.
Cartão de Autor
Frances Maria Ricobene
Ir para o Google Maps
Avalie (1 a 5)
2.001
Envie um aviso ao editor
[contact-form-7 id = "18385"]
Partilhar