Festa da Assunção - Messina
Street View (se houver)
O Street View está disponível apenas com o Google Maps.
descrição

Festa da Assunção - Messina

Bens incluídos no Registro do Patrimônio Imaterial da Sicília (REIS)

---------------- 

Ficha técnica elaborada por: Região da Sicília - Departamento de patrimônio cultural e identidade siciliana - CRicd: Centro regional de inventário, catalogação e documentação e cinemateca regional da Sicília

N. Prog. 116
Bem: Festa da Assunção
Livro: REI - Livro de celebrações
Data de aprovação: 19-05-2008
Categoria: festa patronal
Província: Messina
 
Município: Messina
 
Notícias cronológicas
O culto à Assunção espalhou-se pelo mundo católico antes mesmo da proclamação oficial do Dogma, que ocorreu em 1950 pelo Papa Pio XII. A festa de Messina tem origens muito antigas: a Pitrè traça ritos e tradições a ela ligadas desde o século XVII.
Recorrência: Anual
Data: 15 de agosto
Função: Devocional / Patronal
Atores: Atiradores: pela devoção transmitida de pai para filho, os chamados atiradores, têm a tarefa de arrastar, por meio de longas cordas, o Vara, representando a Assunção da Virgem Maria, instigada pelo grito de “Viva Maria”. Eles vestem roupas brancas e estão descalços.
Participantes: comunidade local, turistas
descrição
A festa celebra a Assunção de Nossa Senhora e acontece entre ritos religiosos e tradições populares. As celebrações religiosas começam com a missa vespertina na véspera do dia 14 de agosto, oficiada ao pé da majestosa Vara votiva: uma verdadeira máquina com aparato cenográfico móvel, de 13,50 metros de altura e composta por cenas e figuras representando, na parte inferior, a morte da Virgem e, na parte superior, o triunfo da Assunção. Na manhã do dia 15 do Vara, amarrar cordas a ele com as quais será rebocado ao longo do caminho processional de três quilômetros. O verdadeiro início do festival é assinalado pelo disparo de alguns tiros de canhão da estátua da Madonna della Lettera no porto; portanto, a manhã é dedicada às celebrações religiosas, enquanto à tarde começa a procissão. O percurso começa na Piazza Castronovo: la Vara é puxado por atiradores ao longo da via Garibaldi; na interseção com a via I Settembre existe o que é tradicionalmente chamado de "curva", uma manobra complexa que deve girar o Vara sobre si mesmo para permitir a entrada ao longo da rua. O percurso termina na Piazza Duomo. O tiroteio dos fogos de artifício do porto encerra a festa.
 
Bibliografia
Cardella, Antonio. 2002 Ritos sagrados e lendas do povo siciliano. Palermo: Sigma.
 
Croce, Marcela. 2004. As estações do sagrado. Almanaque de festas populares. Palermo: Dario Flaccovio.
 
Pitre, Giuseppe. 1979. Festivais patronais na Sicília. Sala Bolognese: Fornos.
 
 
 
Note
La Vara, Com 13,50 m de altura, é uma complexa máquina cenográfica cujas origens parecem remontar ao século XVI. É constituída por uma estrutura piramidal, dividida em vários níveis cênicos, que esconde uma série de engrenagens complexas: estas são acionadas manualmente e permitem os diversos movimentos. No nível inferior está representado o túmulo de Nossa Senhora rodeada pelos apóstolos; na parte superior, estátuas de papel machê representando anjos que giram junto com o Sol e a Lua. No próximo nível está a representação do céu (um globo estrelado), rodeado pela faixa do zodíaco. No topo, entre as figuras angelicais, está Cristo segurando a Madonna na palma da sua mão direita. Inicialmente, entre os planos móveis e rotativos do Vara, figuras e crianças foram colocadas sob a forma de anjos, presas às estruturas móveis, enquanto no topo, um homem e uma mulher representavam Cristo e a Assunção. Hoje as figuras são todas em papel machê, exceto por algumas crianças colocadas na base da estrutura. Ligadas à festa, mas não ao rito devocional, estão as figuras dos "Gigantes", puxados pelas ruas da cidade dias antes de 15 de agosto. Estas são duas estátuas colossais de papel machê representando um homem, Griffin, e uma mulher, Mata, a cavalo. A tradicional "caminhada dos gigantes" está ligada a antigas tradições e mitos. Existem várias hipóteses sobre as correspondências entre as estátuas equestres e as personagens que representam, mas é certo que estão todas ligadas à história e lendas da cidade de Messina.
Perfil do autor: Mariangela Riggio
 
Avalie (1 a 5)
3.004
Envie um aviso ao editor
[contact-form-7 id = "18385"]
Partilhar