Ciclo do trigo e do pão (Vastedda - Pão)
Street View (se houver)
O Street View está disponível apenas com o Google Maps.
descrição

Ciclo do trigo e do pão (Vastedda - Pão)

trigo

Inserção de cartão: Heritage Sicily 

Nota : O preenchimento das fichas da base de dados do Patrimônio procede em fases incrementais: catalogação, georreferenciamento, inserção de informações e imagens. O bem cultural em questão foi catalogado, georreferenciado e as primeiras informações inseridas. De forma a enriquecer os conteúdos informativos, são bem-vindas outras contribuições, se desejar pode contribuir disponibilizando informação e / ou imagens também através do grupo do facebook "Heritage Sicily"

Visitar Banco de dados do patrimônio cultural imaterial da Sicília  para aprender sobre outros ativos intangíveis

Visite Patrimônio de mapas de dados: Conjunto de bases de dados do Patrimônio Cultural da Sicília para conhecer outras bases de dados (natureza, barroco, arqueologia, bens materiais e muito mais)

---------------- 

Ficha técnica elaborada por: Região da Sicília - Departamento de patrimônio cultural e identidade siciliana - CRicd: Centro regional de inventário, catalogação e documentação e cinemateca regional da Sicília

Não. Prog.
23
Bem
Ciclo do trigo e do pão (Vastedda - Pão)
Livro
REI - Livro do Conhecimento
Data de aprovação
25-01-2006
Categoria
Sabe
província
Enna
recurso
Ennese - Vale Dittaino
Comune
 
Denominação local
 
Notícias cronológicas
Nos territórios da Sicília central, o culto do trigo está profundamente enraizado e intimamente ligado ao mito da Prosérpina, que se realiza precisamente nessas terras. Ainda é na Sicília que se diz que a deusa das colheitas Ceres confiou a seu discípulo Triptolemo uma importante tarefa: viajar pelo mundo em uma carruagem puxada por dragões alados para difundir o cultivo do trigo.
O cultivo do trigo constituiu historicamente a principal riqueza da Sicília. Dentro História da Naturalis Plínio, o Velho, descreve como em outras regiões da península italiana as farinhas eram obtidas de bolotas, castanhas ou outros cereais, como cevada e centeio. Na Sicília, ao contrário, graças aos ensinamentos da deusa Ceres, os camponeses, segundo o latim, aprenderam a cultivar o trigo e com ele o pão.
Citando um documento do século XNUMX, Ignazio Buttitta relata as etapas do cultivo de cereais que sobreviveram até os dias atuais: "al laborandum, faciendum novalia, seminandum, zappulandum et metendum, straguliandum, pisandum, recolligendum, victualia "(...): arar e pousio, semear, sachar, colher, transportar os feixes para o pátio com stragula, debulhar e armazenar a colheita“, Resumindo quais podem ser as passagens fundamentais do ciclo do trigo. Entre estas, o gizamento era considerado uma prática puramente feminina e consistia, num primeiro momento, no atrito entre duas pedras chatas, depois, no uso de almofarizes primitivos, rolo ou pilão, do tipo ainda utilizado por alguns povos da África. 
Até o pão, conhecido no centro da Sicília como vastodda, encontra suas raízes históricas em tempos distantes. De acordo com os estudos realizados pela AM Corradini a cidade de Enna, definida como urbs inexpugnabilis, era rico em água, madeiras e cereais e aquele pão, o pão, era um dos alimentos básicos da dieta da população do centro da Sicília, feito com farinha de trigo. Foi graças a este cultivo e à produção de pão que os camponeses sicilianos conseguiram, apesar das grandes misérias, sobreviver.
Recorrência
-
Data
 
oportunidade
 
Função
 
atores
 
participantes
 
descrição
O ciclo do grão, na cultura camponesa, marca os tempos de trabalho das famílias dos trabalhadores da terra, onde se exige o maior e mais prolongado empenho de recursos humanos durante a época da colheita, ao final da qual são trabalhados os campos para preparar. na próxima semeadura.
Existem cinco fases que constituem o chamado ciclo do trigo:
1- do final de outubro a meados de dezembro o solo é preparado, com um ou mais arados, para a semeadura ”sulco"ou"difundir" O mês de novembro é tradicionalmente aquele em que se realiza a semeadura e por isso disse lu colocou simenti;
b- de dezembro a março assistimos à germinação e crescimento das mudas de trigo e procedemos à limpeza do terreno das ervas daninhas;
c- de meados de março a junho assistimos ao amadurecimento da espiga;
d - a colheita e a debulha ocorrem entre os meses de junho e agosto;
e - de agosto a outubro, o solo é preparado com limpeza e aração.
A escansão temporal do ciclo do trigo foi marcada por toda uma série de rituais e festas sacralizados por objetos, ações e palavras que constituem um importante patrimônio imaterial para toda a ilha. Essas práticas selavam os gestos e o trabalho do agricultor em um horizonte de sentido, no qual o cultivo da terra assumia também um valor expiatório pelas transgressões e omissões cometidas contra os mortos.
Já em 1897 o folclorista Salomone Marino atestava como prática obsoleta a de ter uma parte das sementes abençoadas, marcando-as com a cruz e repetindo "Compromissos Patri e lu Figghiu e lu Spiritu Santu!" A relação com a esfera do sagrado é particularmente evidente no momento da colheita, quando a invocação ao Santíssimo Sacramento abria e fechava os tempos de trabalho dos ceifeiros e da debulha.
A ligação com o sagrado também era tangível pelas inúmeras cerimônias e festividades religiosas ligadas ao ciclo do trigo.
Em novembro, a semeadura foi associada à festa de Todos os Santos e à Comemoração dos mortos. Um provérbio siciliano a esse respeito afirma: "O primeiro para Tutti li Santi e o último para Sant'Andria".
De dezembro a março o período de germinação estava ligado à festa da Imaculada Conceição, de Santa Lúcia, de Sant'Antonio Abate e do Carnaval.
O crescimento do rebento e da primeira espiga, de março a abril, foi associado à festa de São José e à Semana Santa.
De maio a junho, o crescimento e o amadurecimento da espiga estavam ligados à festa da SS. Crucifixo, a Elevação da Cruz, a Madonna delle Grazie e Sant'Antonio da Padova.
Por fim, os meses de colheita, debulha e armazenamento, de junho a setembro, estavam ligados às festas de San Giovanni, San Calogero e muitas festas patronais. A este respeito, é relembrado outro provérbio siciliano que diz "Mandíbulas de junho em pugnu".
O pão ou vastada, particularmente difundido no território da Sicília central, distingue-se dos outros produtos da mesma categoria pela consistência da crosta, pela cor amarelo claro e pela alveolação de grão fino do miolo, que é compacto e uniforme. Atualmente o vastodda, é conhecido como o pão de Dittaino, um vale no centro da Sicília, na província de Enna, criado pelo curso do rio de mesmo nome. O alimento é considerado um produto DOP devido à sua capacidade de manter inalteradas por cinco dias suas características sensoriais como cheiro, sabor e frescor. Estas características podem ser, sem dúvida, referidas à farinha de trigo duro com que é produzida. As operações de cultivo e colheita do trigo, bem como as de produção e embalagem do pão, devem ocorrer dentro da área de produção, de forma a respeitar os critérios de rastreabilidade e não alterar a qualidade do pão e suas características peculiares. .
Na Sicília, o trigo duro sempre foi usado para fazer pão, ao contrário de outras áreas da Itália onde a farinha de trigo mole era e ainda é usada. Já está amplamente demonstrado por análises biológicas que o trigo duro possui excelentes características de qualidade e saúde, livre de micotoxinas.
Bibliografia
Buttitta, Antonio e Antonino Cusumano. 1991. Pão e festa. Tradições na Sicília. Palermo: Guia.
 
Buttitta, Ignazio Emanuele. 2006 Os mortos e o trigo. Tempos de trabalho e ritmos de festa. Roma: Editora Maltemi.
 
Cancilia, Horace. 1983. Barões e pessoas na Sicília de trigo. Palermo: Palumbo.
 
Cancilla, Horace, 1989. O trigo na região da Sicília, Catálogo Agroalimentar, Palermo.
 
Paterna, Claudio e Salvatore Scalisi, editado por. 2007. O ciclo do trigo na terra de Demeter. Sperlinga: Scalisi.
 
Zanzucchi Castelli, Marisa. 2000. Pão: universo de símbolos e ritos. Parma: Silva
Sitography
 
Filmografia
 
Discografia
 
Note
No mito do rapto de Prosérpina se diz que foi em Enna, em correspondência com o lago de Pergusa, que se abriu a porta do Submundo, de onde Hades, saindo, conseguiu raptar Prosérpina, filha da deusa da colheita Ceres, e trazê-la com força no Tártaro.
Ceres, em desespero, saiu em busca da filha sem alcançar o resultado desejado. Decepcionada com a atitude dos homens, que não sabiam ou não queriam contar-lhe o ocorrido, e por considerá-los indignos de seus dons, ela destruiu os campos de trigo levando a humanidade a uma morte certa. Para evitar a dramática decisão foi o pai dos deuses Júpiter que estabeleceu que Prosérpina permaneceria metade do ano junto com seu marido no Submundo e pelo resto do tempo com sua mãe na terra.
Segundo o estudioso Ignazio Buttitta, o mito do estupro da menina evoca a morte da semente que é plantada e renasce para uma nova vida, salvando o homem da fome. À mesma concepção cíclica de vida, baseada no consumo do tempo, responde também o mito de Adônis que vive na ilha por meio do chamadoLavureddi“, Sementes de trigo brotavam no escuro junto com outros cereais, evocando os antigos“ jardins de Adônis ”. Os mesmos que aparecem nos "sepulcros" montados no interior das igrejas na Quinta-feira Santa, nos altares de São José no dia 19 de março e no final dos serviços religiosos, em Alcara i Fusi, em homenagem a São João na festa de Muzzuni (24 de junho )
Cartão de Autor
Frances Maria Ricobene

 

Avalie (1 a 5)
2.333
Envie um aviso ao editor
[contact-form-7 id = "18385"]
Partilhar