Cerâmica e Presépio Artístico (Tradição Figulina)
Street View (se houver)
O Street View está disponível apenas com o Google Maps.
descrição

Cerâmica e Presépio Artístico (Tradição Figulina)

Bens incluídos no Registro do Patrimônio Imaterial da Sicília (REIS)

 

---------------- 

Ficha técnica elaborada por: Região da Sicília - Departamento de patrimônio cultural e identidade siciliana - CRicd: Centro regional de inventário, catalogação e documentação e cinemateca regional da Sicília

Inserção de cartão: Heritage Sicily 

Nota : O preenchimento dos cartões da base de dados do Patrimônio ocorre em fases incrementais:

A catalogação e geolocalização, informações B, imagens C

Este formulário ainda está incompleto, se desejar, pode contribuir com sua contribuição fornecendo informações e / ou imagens através do e-mail: redazione@heritagesicilia.it

---------------- 

Ficha técnica elaborada por: Região da Sicília - Departamento de patrimônio cultural e identidade siciliana - CRicd: Centro regional de inventário, catalogação e documentação e cinemateca regional da Sicília

N. Prog. 22
Bem: Cerâmica e Presépio Artístico (Tradição Figulina)
Livro: REI - Livro do conhecimento
Data de aprovação: 25-01-2006
Categoria: Técnica artesanal
Província: Catania
Município: Caltagirone
 
Notícias cronológicas
Cerâmica
As primeiras pistas sobre a história das origens da arte cerâmica de Caltagirone remontam ao século XVII, quando o historiador e jesuíta Giovanni Chiarandà escreveu, em sua obra "Piazza, cidade da Sicília“, Que o trabalho da cerâmica, na cidade de Calatina, era anterior à vinda dos árabes e realizado por muitos oleiros.
A base científica desta informação histórica deriva das escavações realizadas pelo arqueólogo Paolo Orsi no território de Caltagirone, em particular nas aldeias de Scala, Pile e S. Ippolito que devolvem exemplos de cerâmicas que datam do 1000º milénio aC. A cerâmica redescoberta, com formato de frasco ou fruteira, apresentava decorações geométricas pintadas de marrom com fundo amarelo e avermelhado. Certifica-se que o uso do torno na Sicília foi introduzido por volta do ano XNUMX aC, após contatos com o mundo grego.
No período bizantino, eles eram o "Stazzunari”Para produzir potes de obra grosseira, sem esmalte ou tinta, trabalhada no torno com listras horizontais. Serão os árabes em 827 dC que privilegiaram a produção local, determinando um relançamento do artesanato local e transferindo seus conhecimentos sobre o assunto.  
Pelas formas, decorações e cores é possível proceder a uma correta datação das cerâmicas, estes elementos diferiam de acordo com o período histórico de produção.
No período medieval encontra-se a produção de bacias com abas não muito largas, decoradas com manganês. Neste período de esplendor, os brasões de ordens religiosas ou famílias aristocráticas que vieram para a Sicília da Espanha seguindo os aragoneses foram favorecidos para a cerâmica Caltagirone. Um fragmento importante para atestar o uso desse tipo de decoração plástica é o fragmento de uma bacia com monograma jesuíta em relevo preservado na Praça Armerina, datado de 1568 e atribuído ao mestre Calatino Iovannello Maurici.
Durante a década de 500, iniciou-se a preferência pelas decorações caligráficas e geométricas em esmalte azul sobre branco, fruto da moda de mercado da época.
A influência do charme oriental é particularmente afirmada nos anos 600 e encontra amplo espaço na decoração das porcelanas que também refletem os esquemas decorativos renascentistas. É para responder à exuberância do cromatismo anterior que o estilo é codificado em Faenza "resumos brancos“, Caracterizado por uma faiança limpa e legível com decorações essenciais colocadas no centro do objeto. Ao mesmo tempo em Caltagirone a cerâmica de uso desenvolveu algumas inovações importantes como a criação do frasco tambura, capaz de reter mais água. A falta de inovação na decoração pode ser atribuída à atmosfera vivida no leste da Sicília devido a desastres naturais ou causas humanas. O terremoto terá grande repercussão na formação humana e profissional dos artesãos. No leste da Sicília, o terremoto de 1693 trouxe consigo um processo de reconstrução das cidades destruídas na tentativa de restaurar a vida normal da população. Seguindo este evento eu canatari, artesãos especializados na realização da cerâmica de uso, trabalharam sem trégua, inovando constantemente a sua arte, passando a experimentar novas formas e continuando a produzir diversos tipos de baixelas: quartardi, uggialori, canati, moldes para mostarda e lama pratos grandes que serviam mil usos. Os irmãos Bertolone, por exemplo, criaram artefatos drenados em imitação de mármore. Foi neste período histórico que os fornos da cidade começaram a produzir pisos, vasos com decorações e pinturas em relevo, fontes de água benta, frontais de altares, estatuetas e decorações arquitetônicas para igrejas e torres sineiras. Ao mesmo tempo, se estabeleceram artistas como os mestres Polizzi, Dragotta, Branciforti, Bertolone, Blandini, Ventimiglia, Capoccia, Di Bartolo.
 Devido ao colapso do desenvolvimento da cerâmica, conseqüência do terremoto, os artesãos de Calatini, para despertar novo interesse, começaram a se abrir para roba Siciliano produzido principalmente na Campânia.
A cerâmica só voltou a florescer no século XVIII quando seguiu novos rumos artísticos, representou a procura do luxo e da elegância misturados com o gosto pelo efémero e pelos ornamentos.
Na história da cerâmica, o século XIX abre-se com uma inovação: começa o desenvolvimento de produtos industriais como a faiança à inglesa e o cimento para pisos. O desenvolvimento dessa prática resultou em um período de declínio para os oleiros. Só os mais habilidosos conseguiam trabalhar como Caltini Giacomo Bongiovanni e seu sobrinho Giuseppe Vaccaro, conhecido por suas estatuetas de terracota.
 
O presépio artístico
O século XVIII pode ser definido como a época de ouro dos presépios. Na verdade, foi entre os séculos XVIII e XIX que a comissão para a construção desses artefatos aumentou progressivamente. Período histórico em que os vice-reis e as ordens eclesiásticas ricas e poderosas competiram pela encomenda e pela posse dos mais preciosos e ao mesmo tempo suntuosos presépios. Presépios que costumavam cruzar as fronteiras da Sicília, chegando às mais refinadas cortes europeias.
Na área de Calatina, no final do século XVIII e no século seguinte, existe um grupo de artistas que se inspirou na tradição figulina, da qual um grupo de mestres conhecido como "santuários"E"pasturaries".
No século XIX, o maior expoente da arte das estatuetas na Sicília foi o mestre Giacomo Bongiovanni, que expressou seu gênio artístico modelando estatuetas de argila que encontraram ampla difusão em todos os lugares. A técnica de modelagem, técnica tradicional de Calatina, foi amplamente utilizada pelo artista em sua oficina, já inaugurada em 1794. O mestre, porém, não desdenhou em abraçar também as orientações clássicas, como evidencia a decoração do altar da Igreja do Crucifixo em Caltagirone.
Atualmente a produção de presépios, sempre olhando para o legado advindo da grande tradição calatina, não deixa de se fundir e dar origem a novos gêneros, fruto de misturas clássicas com intuições modernas e interpretações pessoais, representando assim a soma de diferentes escolas e tendências.
 
descrição
Cerâmica
A cidade de Caltagirone deve sua fama à produção de cerâmica. Os artesãos Calatini são qualificados como um dos produtores de faiança mais importantes da ilha. A sua fortuna era a posição geográfica da cidade, que possuía grandes pedreiras das quais podiam extrair o barro, matéria-prima do seu trabalho, e obter lenha nas matas próximas, como a de S. Pietro, para acender as fornalhas. A faiança Calatina destinava-se ao uso diário (pratos, travessas, recipientes e as notas “lhumor“) E destinavam-se a um mercado puramente pobre, mas que não desprezava o gosto estético das suas decorações.
Originalmente, a grande produção de mel aumentava a demanda por parte dos produtores por recipientes de armazenamento. A partir disso, os oleiros passaram a produzir recipientes de terracota adequados para esse uso.
A inovação dos mestres Calatini também invadiu a decoração. No século XVIII, contra o uso da caríssima cor azul, que havia caracterizado o século, os oleiros Calatini estudaram novas decorações com manganês, azeviche e ferro amarelo.  
Os artesãos Calatini também se destacaram pela produção de cerâmicas para revestimentos arquitetônicos como fachadas de igrejas, pináculos e torres sineiras, além da produção de faiança para pisos. Esta última seguirá uma evolução estilística semelhante à da olaria, valendo-se do planejamento de importantes arquitetos chamados a construir os palácios nobres e as igrejas monumentais da cidade. Entre estes, os Gaginis trabalharam em Caltagirone entre os séculos XVI e XVII, enquanto o primeiro a usar majólica como elemento decorativo foi Natale Bonajuto.
Dois tipos diferentes de majólica começam a surgir no pavimento. O primeiro usa a associação de terracota e majólica com ladrilhos quadrados ou retangulares decorados com motivos geométricos colocados para circundar um tapete de ladrilhos hexagonais de terracota ou com pequenos pedaços quadrados colocados para preencher os espaços vazios entre ladrilhos de terracota octogonal. O segundo tipo é todo com ladrilhos em forma de romboide esmaltados em branco, azul e manganês, variando juntos para compor padrões geométricos, estrelas, orelhas, tabuleiros de xadrez.
 
O presépio artístico
Caltagirone deve a sua notoriedade, bem como a sua cerâmica, às estatuetas devocionais dos presépios, uma arte profundamente estimulada pelo sentimento religioso da população. A arte dos presépios tem origem naquele ramo artístico que visava a produção de cerâmicas antropomórficas e prosopomórficas.
Será por volta do século XIX que se desenvolverá em Caltagirone o característico presépio com múltiplos pastores, refletindo fisionomicamente, quase sempre, gentes do país e temas característicos dos lugares. Merecem destaque os pastores de Bongiovanni, Bonanno, Vaccaro e também as pequeninas estatuetas do arquitecto GB Nicastro e do Padre Benedetto Papale, este último executor, não só de pequenas estatuetas, mas também de paisagens qualificadas de extraordinária conotação realista.
Peculiar são as figuras de presépio feitas na oficina dos artistas Giacomo Bongiovanni e seu sobrinho Giuseppe Vaccaro. O artista Bongiovanni, herdeiro da família Bertolone, que durante séculos deu à cidade de Calatina artesãos qualificados, revolucionou a técnica da arte da figulina, que a partir de Caltagirone se espalhou pela Europa. Em vez de moldá-los inteiramente, ele os cobriu com finas folhas de argila sobrepondo-os aos corpos, previamente modelados, criando cortinas leves e flutuantes. O resultado gerado por esta técnica é de particular realismo na representação de cenas da vida popular. Se estes últimos artistas se limitaram a criar figuras que os contextualizassem em seu ambiente e em seu tempo, o artista Bonanno volta à história ao propor personagens e paisagens que combinam com maestria com o ambiente em que Jesus nasceu e viveu. esta que foi posteriormente assumida por Benedetto Papale, que não desprezou o cuidado com o caráter ambiental e histórico.
Hoje, a arte da estatueta vive um período de novo desenvolvimento graças à reinterpretação culta de importantes mestres contemporâneos como Giuseppe Bonaccorso, que retoma a tradição milenar da arte plástica de Calatina. Da vasta produção, o artista Bonaccorso vai do sagrado ao alegórico, conotando-os com personagens recuperados da reinterpretação da obra de Serpotta combinada com traços atribuíveis à arte do Renascimento. Após sua morte, sua obra se tornou objeto de colecionáveis ​​e coleções sistemáticas.
 
Compare os cartões:
Bibliografia
Catálogo da exposição, Natividade. Esplendor e humildade na iconografia de berços sicilianos do século XNUMX ao XNUMX,
 
Alessi, Giacomo e Giuseppe Lazzaro Danzuso. 2003 Frascos, galerias e lâmpadas enlatadas. Cerâmica usada em Caltagirone entre os séculos XVI e XIX. Silvana Editorial.
 
Museu da Cerâmica, Edições Novecento, Palermo, 1997
 
Colaeo, Luís. 1994. Presépios de Caltagirone. Artistas e estatuetas da tradição Calatina. Palermo: Editor Arnaldo Lombardi. 
 
 
Perfil do autor: Francesca Maria Riccobene

 

Avalie (1 a 5)
3.001
Envie um aviso ao editor
[contact-form-7 id = "18385"]
Partilhar