"TRUVATURA" E SACRIFÍCIOS DE CONSTRUÇÃO NO ANTIGO CONDADO DE MÓDICA

MITOS, LENDAS E SUPERSTIÇÕES: ENTRE SAGRADO E PROFANO
"TRUVATURA" E SACRIFÍCIOS DE CONSTRUÇÃO NO ANTIGO CONDADO DE MÓDICA

por Ignazio Caloggero

Acredito que apesar da tecnologia dos robôs das rodovias da informação, a memória na memória popular dos tesouros encantados (a truvatura) e dos estranhos rituais necessários para desencantá-los ainda não se extinguiu completamente.

O Sul, e em particular a Sicília, é rico em contos populares sobre a truvatura. Quanto mais a miséria é a realidade cotidiana, mais forte é o desejo de que o destino seja resolver nossos problemas cotidianos de forma enérgica e definitiva. Muitos sabem disso, principalmente quem, a partir desse desejo de resgate econômico, consegue tirar uma fonte de renda, e assim proliferam as raspadinhas, as loterias, as loterias e as loterias de todos os tipos, esquecendo-se de que para cada sortudo que ri, centenas de outros eles lamentarão o aumento da miséria.

Talvez tenha sido melhor uma vez, quando em vez das loterias havia os tesouros encantados à espera de serem levados pelos eleitos do destino. Pouco importava se para "desencantar" (ou desamarrar) o tesouro de sua truvatura era necessário usar os expedientes mais estranhos, mais ridículos, às vezes perigosos e muitas vezes criminosos.

Entre os rituais mais estranhos e ridículos está talvez o necessário para se apoderar de um tesouro localizado em local não especificado no Condado de Modica, onde é necessário despir-se completamente, deitar-se no local com a boca cheia, acender três velas em volta do tesouro, segurando um rato morto e no outro uma cobra também morta e como se não bastasse, você tem que ficar imóvel por três horas, das onze da noite às duas da manhã, sem se assustar com ruídos e aparições e imitar o canto do galo e recite uma conjuração que quase ninguém conhece.

A fantasia popular não tem limites, às vezes mais do que rituais ridículos podem os rituais que vêem atores involuntários, vítimas de sacrifícios, e gostaria de me concentrar nestes últimos, pois acho que é possível identificar ligações entre eventos de sangue em uma chave sincrética ligada a alguma truvatura (e talvez a mais antiga forma de sacrifício humano) aquela relativa aos chamados "sacrifícios de construção" em que, por ocasião das novas construções, as vítimas eram sepultadas sob as estruturas do novo edifício.

Achados arqueológicos testemunham a presença de sacrifícios de construção entre os povos pré-históricos da Europa. O costume bárbaro foi lentamente abandonado ou, em todo caso, substituído por simulacros que faziam o rito assumir um caráter puramente simbólico.

Sacrifícios de construção foram feitos, por exemplo, com os celtas; Vincenzo Mancini, em seu livro "Sacrifícios humanos e assassinatos rituais da antiguidade", referindo-se à lenda de São Colombano, relata que pediu à população que um voluntário se oferecesse para que seu corpo consagrasse o local onde deveria ter sido construída a igreja :

<< Odharano levantou-se, dizendo: Se você aceitar, estou pronto. Columkille respondeu: Ó Odharan, você terá sua recompensa; nenhuma graça será concedida a ninguém até que ele peça por você. Odharano foi para o céu. Columkille fundou a igreja de Hy naquele lugar >>.

Testemunhos sobre a construção de sacrifícios também vêm da Bíblia; no livro de Reis 1.XVI, 34 há menção de um certo Hiel de Betel. Que reconstruiu Jericó na época do rei Acabe e a fundou acima de seu filho mais velho Abirão, também se casou sob os portões dela, Segub, filho de Num. E para confirmar esse costume, em 1907, a sociedade alemã para escavações arqueológicas na Palestina descobriu sob as muralhas de Mageddo (cidade bíblica já desabitada na época de Cristo) o esqueleto de um menino de cerca de 15 anos.

Na tradição popular siciliana, encontram-se vestígios de sacrifícios humanos que remetem aos antigos sacrifícios de edificações em relação às modalidades que em alguns casos devem ser adotadas para retirar o dinheiro dos tesouros encantados. Na verdade, queremos acreditar que, em alguns casos, o encanto pode ser removido com uma nova homenagem de sangue (não é por acaso que a filosofia popular "sangu chama sangu" sempre teve raízes na Sicília.

A vítima "amarrada" ao tesouro encantado está destinada a guardar a "truvatura", assim como a vítima sacrificial dos sacrifícios de edifícios guardava o edifício ao qual também estava amarrada.

A Sicília é rica nessas vigas. Uma bota cheia de moedas de ouro está enterrada em uma montanha perto de Capaci. Quem lidera e mata um homem no lugar onde este tesouro está enterrado pode levá-lo.

Outro tesouro encantado que exige o mesmo tributo de sangue é encontrado não muito longe de Caltabellotta; no vizinho "Monte Calvario" existe uma gruta que oferecerá o seu tesouro a quem derramar o sangue de um homem massacrado. Às vezes, uma única vítima não é suficiente, como no caso de "La Montagna del Furore", uma montanha perto de Naro (Agrigento) onde um imenso tesouro está escondido. Para desencantá-lo, sete crianças inocentes devem ser sacrificadas no local.

Mas mesmo nas terras de Hyblean não falta tal truvatura. Na pedreira de S. Lena, não muito longe de Chiaramonte, pasta um bando de ouro. O rebanho pode ser apropriado se um homem for morto no local na Sexta-feira Santa.

Giuseppe Pitre em seu livro: Usos e costumes e preconceitos do povo siciliano (p.436) publicado em 1889, fala de uma igreja no território de Modica chamada Igreja de Scrofani, onde existe um tesouro encantado.

Para pegar este tesouro é necessário matar uma criança que tem o nome de Clemente, e para matá-la deve ser a madrinha que tem que comer seu fígado na hora.

E alguém deve ter tentado; de fato, o escritor Serafino Amabile Guastella, em carta dirigida a Pitre, contou sobre um julgamento ocorrido alguns meses antes em Modica sobre o seguinte evento sangrento ocorrido na mencionada igreja: uma mulher, que tinha dois anos de o velho afilhado chamado Clemente, levou o pequenino, sem o conhecimento da mãe e acompanhado por outro cúmplice, entraram na igreja; as duas mulheres mataram a criança na laje que, segundo as pessoas, esconde o tesouro e arrancou seu fígado. Mas eles não podiam comê-lo cru, na verdade vomitavam um pouco, e o tesouro não podia, portanto, ser desencantado”.

O episódio Medican destaca outro hábito muito antigo, o de comer algumas partes do corpo das vítimas do sacrifício. Diodorus Siculus (Lib.XXII.5) falando do tirano Apolodoro que em 279 AC conspirou para se tornar tirano de Cassandra (a cidade fundada por Alexandre na costa norte do Egeu), diz:

<< e querendo ter certeza do desfecho de sua conspiração, ele chamou um jovem, seu amigo, como se fosse um sacrifício, ele o massacrou como oferenda aos deuses, deu aos conspiradores para comerem suas entranhas, e, misturando seu sangue com vinho , fez com que bebessem >>.

Assim como os antigos rituais em que os sacrifícios humanos eram exigidos foram transformados, e para pagar o custo da estupidez humana eram os animais e não mais os homens, também para a truvatura estamos testemunhando um fenômeno semelhante, no qual entretanto o antigo hábito de alimentar-se da vítima.

Uma antiga crença popular em Modica, acredita que algumas mulheres podem "desamarrar" um tesouro, cozinhando um morcego sob a saia, dentro de um aquecedor cheio de carvão, e comendo-o inteiro sem ter retirado as entranhas. Outro método, menos nojento, sempre medicar, para apoderar-se de um tesouro é esmagar três piolhos tirados do peito na laje que esconde o tesouro. O problema não é tanto encontrar os piolhos para colocar no baú, mas saber onde está o tesouro.

E em uma terra de fé o elemento religioso não poderia faltar; também a tradição modicana conta que Bernardo Cabrera enterrou uma cabra dourada em uma caverna no topo de uma montanha perto do Irminio. A caverna então recebeu o nome de "Caverna da Cabra Dourada". Para desamarrar o tesouro é necessário que três sacerdotes de três municípios diferentes, que têm o mesmo nome de batismo e os mesmos anos, entrem na caverna, abatam um bico e cada um beba três gotas de sangue: só então a cabra dourada enterrada de Cabrera vai subir de debaixo da terra balindo

Afresco representando o Sacrifício da Casa de Ifigênia do Poeta Trágico, Pompéia

O sacrifício de Ifigênia, afresco de Pompeu

"TRUVATURA" E SACRIFÍCIOS DE CONSTRUÇÃO NO ANTIGO CONDADO DE MÓDICAMaja: sacrifício humano

montescuderi_treasure%


MITOS, LENDAS E SUPERSTIÇÕES: ENTRE SAGRADO E PROFANO

 

 

Blog social: O Blog que todos podem participar para contar sobre a Sicília. Torne-se o autor da plataforma La Sicilia in Rete

 [/ Vc_column_text] [/ vc_column] [/ vc_row]

Compartilhe compartilhe
Partilhar
Avalie (1 a 5)
5.001
Visualize o local com o Street View (se houver).
O Street View está disponível apenas com o Google Maps.
Críticas, comentários e suas experiências
Monstro 1 - 1 de 1
Comentários e Críticas
·
É possível adicionar comentários e críticas a este artigo
Envie um aviso ao editor
[contact-form-7 id = "18385"]
Compartilhe compartilhe
Partilhar
Partilhar